O mundo de Tom Otterness

11maio09

por Daniel Toledo

otterness1

Popular entre crianças e adultos, o norte-americano Tom Otterness é um dos principais nomes da arte pública de Nova York. Por meio de esculturas que em muito lembram personagens de desenhos animados, o artista plástico tem construído uma crítica contundente sobre as relações de classe, além de tocar em diversas outras questões sociais. Moedas gigantes, trabalhadores que ostentam enormes ferramentas e personagens rechonchudos cujas cabeças são substituídas por sacos de dinheiro: esses são alguns dos elementos escolhidos pelo artista para referir-se ao embate entre o homem, geralmente apequenado, e as grandes cidades capitalistas.

Em sua primeira grande exposição individual, realizada em 1987, Otterness instalou no jardim de esculturas do MoMA quatro mesas de piquenique feitas em bronze – principal material usado pelo artista. Em volta de cada uma dessas mesas foram reunidos grupos heterogêneos compostos por executivos, operários, policiais, radicais e capitães de indústria. Nas palavras da pesquisadora e crítica de arte Harriet Senie: “uma combinação perfeita de divertimento, medo e surpresa”.

A mesma temática é explorada na obra The Real World, um dos primeiros trabalhos públicos do artista. Instalado em 1992 no Battery Park City de Nova York, o conjunto de esculturas traz diversas representações de um mundo que em muito ultrapassa a amena realidade daquele playground. Para o crítico de arte Michael Brenson, trata-se de “uma ampla alegoria social sobre arte e vida, em que os jogos de poder e controle são interpretados pelos adoráveis e astuciosos personagens de Otterness (…). Um parque imaginário com diversos elementos e histórias para serem contadas”.

otterness2

Já na obra Life Underground, criada para a estação de metrô situada entre a 14th Street e a 8th Avenue, em Nova York, Otterness buscou materializar situações e comportamentos comuns ao cotidiano do lugar. Conservando o estilo marcante do artista, as esculturas foram instaladas em 2004 e reproduzem, entre outras cenas, momentos em que passageiros passam por baixo da roleta e moradores de rua são abordados por policiais. As esculturas tratam de pequenas infrações contra a autoridade e da maneira como esses pecados são recebidos pelos representantes do Estado. A oposição entre as moedas gigantes e os homens apequenados também está presente nessa obra, confirmando o interesse do artista pelas relações sociais baseadas na tríplice trabalho, dinheiro e poder. E não há quem duvide da força dessa tríplice em uma cidade como Nova York.

Anúncios


2 Responses to “O mundo de Tom Otterness”

  1. gostei demais!

  2. Bravo! Como artista, agradeço DEMAIS por esse post.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: